Entrevista Hospital Arquitetura: Roberto Montemor

Vice presidente de Desenvolvimento Profissional da Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado e Aquecimento (Abrava) e sócio da Fundament-AR Consultoria e Engenharia, o engenheiro Roberto Montemor, que integrou o comitê de elaboração da NBR 7256 Tratamento de Ar em Estabelecimentos Assistenciais de Saúde, relata ao portal Hospital Arquitetura parte de sua trajetória e fala sobre a importância do projeto de ventilação e refrigeração na segurança do paciente

Roberto Montemor, engenheiro mecânico especializado em refrigeração e ar condicionado, há 21 anos atua na área de saúde, integrou o comitê de elaboração da NBR 7256, e hoje é vice presidentede Desenvolvimento Profissional da Abrava. Na foto, com colegas da associação, recebe placa em agradecimento por seu mandato como presidente

Há 25 anos no setor de refrigeração, ar condicionado e ventilação, o paulistano Roberto Montemor, 49 anos, formado em engenharia mecânica com especialização em refrigeração e ar condicionado na Poli-FDTE, é sócio da empresa de consultoria e engenharia Fundament-AR desde 1995, com forte atuação na Abrava, onde foi vice presidente, de 2004 a 2005, e presidente, de 2005 a 2006, do Departamento Nacional de Projetistas, e de 2007 até hoje, vice presidente de Desenvolvimento Profissional. Montemor iniciou sua carreira  em hospitais na Clínica São Vicente, no Rio de Janeiro

Montemor foi um dos responsáveis pelo ressurgimento do Departamento Nacional de projetistas da Abrava, em 2004, que forma desenhistas projetistas, além de realizar encontros nacionais anuais sempre em lugares diferentes do Brasil, para a discussão e aprofundamento de itens relevantes do setor.

Para manter-se atualizado, o engenheiro fez cursos de Sala Limpa na Sociedade Brasileira de Controle de Contaminação (SBCC), e diz que estuda muito até hoje, lendo e fazendo intercâmbio com outros profissionais da área em congressos técnicos, cursos e palestras. Com toda essa bagagem, tem sido escalado a participar de comitês de elaboração de normas técnicas referentes a qualidade do ar e contratado para prestar consultoria a instituições hospitalares, disseminando as boas práticas, e contribuindo com o setor de saúde. Ele ressalta que o que mais gosta de fazer em sua profissão são projetos de salas limpas, em hospitais e cozinhas industriais.
O Hospital Santa Catarina é uma das instituições  que Montemor vem atuando

Em depoimento ao portal Hospital Arquitetura, Montemor faz um resumo de sua história profissional.

Quando surgiu interesse pela área de ventilação e refrigeração, e por que?

Logo que me formei fui contratado por uma indústria que tinha uma divisão de refrigeração. Após dois meses abriu uma vaga e pedi para ser transferido, pois achei muito legal a área.

Qual a importância do projeto de refrigeração e ventilação na garantia de um ambiente saudável?

Um bom projeto que segue as normas técnicas e as legislações da Anvisa garantem o conforto térmico, filtragem e a renovação do ar, mantendo os níveis de C02 adequados na atmosfera, e gerando conforto. Com isso, a produtividade das pessoas cresce.

E especificamente em edifícios voltados para saúde, onde higiene e climatização adequada são fundamentais para a realização de procedimento e a segurança do paciente?

Por exemplo, em uma sala de isolamento, o paciente não pode receber ar de fora contaminado se está imuno deprimido, pois pode ter seu quadro, que já é grave, agravado. O ar também não pode sair para outros sistemas quando o paciente tem uma doença altamente contagiosa. Para isso, são criados sistemas que protegem e ajudam na cura dos pacientes.

Como a arquitetura hospitalar pode contribuir para a melhoria da qualidade do ambiente e as condições físicas dos hospitais? Que tipo de interação deve haver, quem, quando e como?

Acredito que o engenheiro de ar condicionado deva entrar no começo do projeto para ajudar na escolha de materiais e na posição solar, possibilitando a redução da carga térmica da envoltória. Acredito também que a definição de áreas técnicas e espaço de entre forro devem ser pensados no inicio do projeto de arquitetura, para conseguirmos garantir que se instale menos potência, gaste-se menos energia durante os anos de operação e as máquinas disponham de acesso, podendo passar por manutenções e limpezas, essências para assegurar a qualidade do ar dos sistemas, e que o ar condicionado, e exaustão e ventilação sejam saudáveis, ajudando na recuperação dos internados e no conforto e saúde das equipes que trabalham na área.

Qual foi o primeiro projeto hospitalar em que teve participação?

O primeiro projeto foi em 1989, na Clínica São Vicente, do Rio de Janeiro, quando trabalhava na LUWA, chefiando a divisão de Salas Limpas. Uma sala cirúrgica com teto totalmente filtrante classe 1000. Daí para frente não paramos mais.

Com quais arquitetos e escritórios de arquitetura o sr. vem trabalhando em projetos hospitalares?

Com a Cabe Arquitetura, o saudoso Jarbas Karmann, o Alcindo Delagnese, Frank Siciliano, Ricardo Leitner entre outros.

Em quais hospitais o sr. atuou ou vem atuando para o desenvolvimento de ambientes saudáveis do ponto de vista da qualidade do ar, em áreas específicas, críticas ou não?

Venho fazendo trabalhos para instituições como Hospital Santa Catarina, Hospital Samaritano, Hospital São Jose do Brás, Hospital Alvorada, Medial Saúde, Hospitais para a Greenline, Hospital Bosque da Saúde, Hospital Igesp e Incor.

Cite os projetos relevantes em que participou no setor de saúde.

Acho que todos os projetos foram sempre marcantes. Penso sempre que poderei estar ali internado e tento  fazer o melhor que sei baseado nas normas técnicas. Mas o projeto que foi um grande desafio pelo pouco espaço técnico foi o Hospital Bosque da Saúde, onde as máquinas do centro cirúrgico ficam no térreo e os dutos sobem quatro andares pela lateral do prédio, pé direito ruim, e ficou ótimo como resultado final.

Fale sobre a sua participação na elaboração de normas técnicas referentes a qualidade do ar, em salas limpas e outros trabalhos técnicos-teóricos relativos ao ambiente hospitalar.

Participei dos comitês de norma da NBR 16401 Instalações Centrais de Ar Condicionado de Conforto, que define parâmetros de projeto, qualidade do ar interior, foram três anos de trabalho. Participei também do comitê da NBR 7256 Tratamento de Ar em Estabelecimentos Assistenciais de Saúde, que determina parâmentros de projeto e execução para instalações, regulamenta toda a parte de ar hospitalar. Foram quatro anos de trabalho nesta comissão junto com o pessoal da Anvisa. Na área de salas limpas, participei como sócio da SBCC e fiz muitos cursos específicos na área de projeto e construção e certificação de salas limpas.

Relate-nos a experiência de ter participado do comitê da NBR? Por que levou tantos anos para a elaboração da norma? Quais pontos foram mais difíceis de serem definidos? O que mudou com a NBR 7256? As instituições de maneira geral adotaram à norma?

Foi fascinante a experiência, pois convivemos com engenheiros, médicos, arquitetos especialistas em hospital, e o pessoal da Anvisa. Houve a troca de informações e a leitura de normas estrangeiras. O estudo foi árduo mas gratificante.  Demoramos tantos anos, pois tudo foi revisto e exaustivamente discutido a partir das normas da Anvisa. Uma parte do tempo, a Anvisa trabalhou para regulamentar os ambientes hospitalares e a partir daí deslanchamos. Para as Classes de Filtragem e Renovação do Ar, demoramos bastante tempo. Hoje, a norma define claramente para cada ambiente hospitalar as necessidades de temperatura, umidade, renovação de ar, grau de filtragem e exaustão. Todas as instituições e projetistas têm adotado a norma quando da construção ou reforma dos ambientes hospitalares.

Como as áreas críticas, salas limpas, áreas de contenção, e segurança biológica etc. devem ser vistas e compreendidas na hora de projetar ou construir do ponto de vista da qualidade do ar?

Temos sempre que pensar que um hospital, tirando a parte de hotelaria, é uma indústria, pois temos máquinas grandes, com vários estágios de filtragem, dutos e tubulações. O ar de descarga não pode contaminar o ar externo de reposição para manter um ar com índices de CO2 adequado dentro dos ambientes condicionados.

Como o sr. vê hoje a construção?

Acredito que o padrão referencial atual deve ser a construção verde e sustentável, que usa bem os recursos da natureza, iluminação eficiente e de baixo consumo, com a envoltória do edifício que garanta consumo menor de ar condicionado, reuso de água, energia solar, energia eólica, máquinas de ar eficientes, com gases ecológicos que não agridam a camada de ozônio, sistemas de supervisão predial que administrem elevadores, acesso, e status das máquinas de ar condicionado.

 

 

PATROCÍNIO




Newsletter

Selecione sua área de interesse:

Núcleo de Pesquisa e Estudos Hospital Arquitetura

Tel.: 11 5584-5277
nupeha@hospitalarquitetura.com.br