Serviços e Tecnologia

Novo sistema odontológico possibilita a instalação de espaços policlínicos sem reforma e altos investimentos

 

 

A solução desenvolvida pela Cyon amplia as atividades de uma clínica e possibilita a inclusão da odontologia em hospitais sem grandes custos. Veja as opções do sistema!

Por Silvana Maria Rosso

 

Ergonômico e confortável tanto para o paciente quanto para o dentista, o consultório desenvolvido pela Cyon - Soluções Odontológicas apresenta o diferencial de ser versátil e permitir o funcionamento de várias especialidades em um mesmo espaço, sem a necessidade de reformas, o que gera economia de recursos e de tempo, uma vez que os equipamentos já vêm montados para a imediata instalação, sem a necessidade de profissionais especializados para tal.

 Até então a odontologia vem atuando como um adendo do setor da saúde e não como parte dele, com consultórios e clínicas especializadas e desconectadas da cadeia da saúde.

 Raramente, a especialidade é encontrada em hospitais e pronto-atendimentos, sendo o motivo principal o custo do equipamento, que deve ser instalado por especialistas, e de se manter a rotatividade do espaço que até então não atendia outras atividades da área da saúde.

 

Composto por maca odontológica, kit de travesseiros e central de trabalho, que pode ser configurada de acordo com a necessidade da clínica ou do hospital, o sistema pode ser colocado com facilidade em um espaço de, no mínimo, 2 x 4 metros, munido com apenas uma tomada. 

O sistema também não exige sala de esterilização, nem cabine para o compressor e a bomba à vácuo. E transforma–se em um consultório médico com apenas a mudança do profissional, uma vez que sua composição é modular e que os procedimentos são realizados em uma maca e não mais em uma cadeira odontológica equipada com aparelhos especiais.

 Versão maca

A evolução da cadeira odontológica é a maca elétrica regulável, com altura mínima de 0,55 metros e máxima de 120 metros, que possibilita a utilização da técnica de lateralidade – onde o paciente fica deitado de lado – com o auxílio dos travesseiros anatômicos reguláveis.

 Aqui o profissional da saúde de outras áreas pode examinar o paciente ou realizar procedimentos como em qualquer outra maca.

 De fácil locomoção para higienização, a maca apresenta espaços livres nas extremidades para encaixe do profissional.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em vez de aparelhos conectados à cadeira e que exigem instalações e tubulações, o sistema contém uma central de trabalho simplificada. Elétrico e móvel, o modelo Freedom vem com reservatório de seis litros, rotação tríplice, alta e baixa e todos os módulos necessários para o funcionamento do consultório.

Durante o atendimento de outra especialidade, caso haja necessidade de espaço, a central é simplesmente afastada da área, graças a seus rodízios.

O sistema pode vir acompanhado de iluminação halógena, três LEDs, fotoforo de cabeça ou fotoforo de óculos.

Para consultórios pré-existentes que já são equipados e que irão migrar para a técnica de lateralidade, a Cyon dispõe de uma central de trabalho onde os equipamentos e instalações convencionais são simplesmente acoplados.

Esta versão vem com quatro ou cinco pontas, tríplice, alta e baixa rotação, sugador e compressor e também amplia as especialidades da clínica por ser móvel.

 Modelo de transição

Para quem ainda não se adaptou totalmente com a técnica da lateralidade, a Cyon disponibiliza a cadeira com encosto e perneira que também é equipada com kit de travesseiros e central de trabalho, encontrada nos dois modelos citados acima.

Este modelo é elétrico, possui rodízios e pedal automatizado e funciona como uma cadeira tradicional ou como uma maca, apresentando anatomia adequada para aplicação da técnica de lateralidade.

Em ambas versões, o kit multimídia é um opcional que pode ser adquirido separadamente.

 

Modelo portátil

Esta é uma possibilidade para atendimento home care, pronto-socorro e projetos sociais.

Nesta alternativa, a maca é dobrável e portátil, acompanha os travesseiros para a técnica de lateralidade e a central com quatro pontas vem com alta rotação, necessitando apenas de uma tomada.

Aqui a iluminação pode ser por fotoforo de cabeça ou no óculos.

 

 

 

Novo consultório traz conforto para a rotina do dentista e revoluciona a odontologia

Sistema adota maca regulável e reúne equipamentos em central, que torna a postura do cirurgião-dentista intuitiva, preservando a sua saúde. Confira os diferenciais dessa técnica

Por Silvana Maria Rosso

A inovação chega ao consultório odontológico depois de 300 anos de sua criação.

O sistema desenvolvido pela Cyon - Soluções Odontológicas introduz à sala clínica uma central de trabalho, onde são conectados os equipamentos necessários para os procedimentos, e uma cama com altura regulável de acordo com o biótipo do profissional.

Neste consultório, que é mais tecnológico e intuitivo que o convencional, o cirurgião dentista trabalha em uma postura mais confortável que preserva a saúde de sua coluna.

"A postura é como a janela para a coluna e, como a coluna vertebral influencia diretamente a saúde, podemos considerar que nossa postura também influencia a nossa saúde como um todo", alerta o quiropraxista Jason Gilbert.

 

                                                  

 

A técnica tradicional

Vamos entender como funciona o consultório convencional para compreender as diferenças com relação à nova técnica proposta pela Cyon. Aqui, o paciente acomoda-se em uma cadeira com a coluna apoiada e o dentista deve se adaptar ao equipamento e ao tipo de procedimento realizado. 

O encosto da cadeira odontológica desloca-se para alterar a angulação, proporcionando campo de visão para o dentista. 

Para adequar sua distância focal, o profissional se aproxima do paciente, flexionando tronco e cabeça além de inclinar e girar os mesmos.

Os braços ficam sem apoio e fazem pequenas elevações para favorecer o procedimento, sobrecarregando músculos, articulações e pescoço. 

E a mesa auxiliar da cadeira odontológica fica lateralmente ao dentista, também promovendo rotações de tronco durante a prática. 

 

Postura incorreta

Habituado com o consultório tradicional e a rotina dos procedimentos, sem se dar conta, o cirurgião-dentista desenvolve Lesões por Esforços Repetitivos (LER) ou Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT), em função da postura incorreta e dos movimentos repetitivos prolongados. 

As regiões mais afetadas são ombro/braço (39,40%), punho/mão (18,30%) e pescoço (17,20%). 

Assim, dores no pescoço, coluna, ombros e braços são uma realidade que contribuem para a diminuição da qualidade de vida desse usuário e de sua produtividade no decorrer da carreira. 

Desnível de ombro, encurtamento dos músculos peitorais e cabeça rodada e/ou inclinada – que está associada ao movimento necessário para acesso visual ao seu campo de trabalho (interior da boca do cliente) ao longo dos anos incorporam-se à postura do cirurgião dentista, esteja trabalhando ou não.

                                                              

 A ergonomia a favor da saúde

Mas será que é necessário sofrer para trabalhar?

 A boas práticas ditam que a organização do trabalho deve proporcionar maior conforto, o que amplia, consequentemente, a vida útil profissional. 

A ergonomia é a grande aliada da boa postura. Baseada na análise comportamental do usuário, essa ciência busca produzir conhecimento, ferramentas e princípios suscetíveis de orientar racionalmente a ação de transformação das condições de trabalho. 

"Além de humanizar o trabalho, estudos ergonômicos contribuem para uma maior eficiência e rentabilidade do mesmo", ressalta o arquiteto Marcos Cardone da Cabe Arquitetura.

 

O novo consultório

Fundamentados nas normas ISO 6385 e ISO 11226, que estabelecem os requisitos necessários para se obter uma postura saudável durante o trabalho sentado no atendimento odontológico, e na análise do comportamento do profissional, o cirurgião-dentista Roberto Motta, a fisioterapeuta Erika Dias e o engenheiro de produto Venício Venâncio chegaram ao novo consultório.

 O modelo desenvolvido por eles contém cama e central de trabalho com ponto de luz ergonomicamente planejado, travesseiros anatômicos, unidade de água, duas cadeiras, aparelho de raios X, fotopolimerizador, aparelho de profilaxia e ultrassom, bomba a vácuo e compressor.

 Aqui, a cama odontológica substitui a cadeira tradicional, que permite regulagem vertical de no máximo 1,20 metros e possibilita o livre movimentar do dentista. 

Associada à cama, está a central que contém todos os equipamentos necessários para o desenvolvimento dos tratamentos e posiciona-se próxima do cirurgião-dentista, levando mais praticidade a sua rotina.

 

A técnica de lateralidade

No novo consultório, o paciente fica deitado de lado ou em posição fetal, que lhe traz aconchego e maior sensação de segurança, facilitando a realização dos procedimentos. 

Já o dentista fica sentado como se estivesse na mesa do escritório durante todo o tratamento, sem sobrecarregar a coluna. Essa posição simplifica o acesso à boca do paciente e possibilita a visibilidade tanto da arcada superior quando da inferior.

Os braços ficam apoiados pelo cotovelo ou antebraços, o que lhe proporciona mais firmeza e conforto durante a execução dos procedimentos. 

O campo de visão é obtido graças a movimentos mínimos tanto da cabeça do paciente que está apoiada no travesseiro quanto do dentista que se encontra em uma postura mais confortável e intuitiva.

 

Com o novo sistema, o dentista fica mais próximo ao paciente possibilitando que ele regule o foco facilmente, evitando flexões excessivas de tronco e cabeça, e inclinações e torções do corpo.

Sem dores e sem esgotamento, o profissional aumenta a produtividade e a sua qualidade de vida. 

Além das vantagens acima, o sistema da Cyon contribuiu para a saúde financeira da empresa odontológica, por ser um consultório policlínico que torna possível o compartilhamento com diferentes especialidades, permitindo ganho financeiro extra e/ou economia nos custos fixos. 

 

Fonte: Artigo Cientifico "Ergonomia para o Cirurgião Dentista – Estudo Comparativo: Conceito de Sala Clínica que Consiste em Técnica de Decúbito Dorsal da Cadeira Odontológica e Mesas Auxiliares x Conceito de Quarto Clínico que Consiste na Técnica da Lateralidade da Cama e Armário Odontológico. Um Novo Modelo em Ergonomia", por Roberto Motta de Almeida, cirurgião dentista, especialista em Ortodontia, e Erika Dias da Silva, fisioterapeuta especialista em Ortopedia e em Fisiologia do Exercício Resistido na Saúde, Doença e Envelhecimento

 

 

ODONTOLOGIA HUMANIZADA

Transformar o ambiente do consultório pode transmitir relaxamento e tranquilidade ao paciente, evitando o comprometimento da saúde bucal. Conheça sistema inovador que cumpre essas premissas

Por Silvana Maria Rosso

 

Finalmente, os consultórios e clínicas odontológicas podem empregar a política da humanização, graças a um novo sistema clean que adota o método da lateralidade, propiciando mais segurança e conforto ao paciente.

Ao contrário dos ambientes hospitalares que cada vez mais ganham projetos humanizados, os consultórios e clínicas odontológicas ainda são idealizados segundo um modelo criado há 300 anos, baseado no sistema de decúbito dorsal com equipamentos à vista, além de acoplar a repulsiva cuspideira. 

É muito comum as pessoas terem medo de ir ao dentista. Entre as causas, Mariana Amaral, psicóloga especialista e mestre em Análise do Comportamento, enfatiza que estímulos presentes no ambiente odontológico "possuem propriedades altamente aversivas".  

Segundo uma pesquisa realizada pela Cyon - Soluções Odontológicas com 132 pacientes, entre fevereiro de 2015 e outubro de 2016, em que observaram por um minuto a foto de um consultório tradicional, 45% respondeu que a sensação era de medo e 55% de tensão. O grupo era formado por 28 crianças na faixa de 5 até 12; 80 pessoas dos 12 aos 50 anos e 42 entre 55 e 80 anos.

O medo e a saúde bucal

Esse tipo de repulsa é problemática, pois o paciente com medo vai pouco ao dentista, o que prejudica a sua saúde bucal. 

Quando ele procura atendimento, apresenta grandes níveis de comprometimento, o que "aumenta a duração e a complexidade do tratamento, tornando este um evento ainda mais estressor, e diminuindo assim a chance de visitas futuras ao dentista", afirma a psicóloga. 

"Este é um ciclo que deve ser interrompido, pois traz perdas ao paciente e também ao profissional, que lida cada vez com quadros clínicos mais graves e comportamentos mais difíceis, aumentando seus níveis de estresse no trabalho", completa. 

 O espaço e o bem-estar

"O espaço físico não poderá eliminar o sofrimento do paciente, mas pode contribuir para melhorar o seu bem-estar e o dos funcionários", cita o artigo do Caderno 11 PROARQ da FAU/UFRJ, de autoria das arquitetas Patrícia Biasi Cavalcanti, Giselle Arteiro Nielsen Azevedo e Cristiane Rose Duarte. 

“Através de uma ambientação humanizada, é possível estimular reações positivas ao restabelecimento do equilíbrio físico e psíquico do usuário, minimizar efeitos estressores, além de contribuir na melhora da qualidade e no acolhimento”, diz a arquiteta Célia Bertazzoli, da Cabe Arquitetura Hospitalar. 

 

 

Sistema inovador

Pensando em proporcionar o atendimento confortável e seguro aos pacientes e reduzir os problemas causados aos próprios profissionais pela sala clínica tradicional, a técnica da lateralidade, onde o paciente fica deitado de lado na maca, foi desenvolvida pela Cyon - Soluções Odontológicas através da parceria entre o cirurgião-dentista Roberto Motta, a fisioterapeuta Erika Dias e o engenheiro de produto Venício Venâncio. 

O sistema contém um quarto clínico com consultório completo, sendo que a cadeira foi substituída pela cama odontológica, definida como uma maca de eixo central que possibilita o livre movimentar do profissional nas extremidades e com altura de elevação de 1,20 metros. 

Associa-se à cama um armário odontológico que contém todos os equipamentos necessários para o desenvolvimento dos tratamentos que ficam à mostra apenas quando o móvel está aberto.

 Nesse sistema, a cuspideira pode ser eliminada, pois o sugador já recolhe toda a saliva, evitando o mal estar gerado pelo contato visual com o acessório. Isso também traz maior conforto para o usuário.

 

 

 

No novo modelo, o paciente tem a cabeça ancorada por uma almofada higienizável, além de se manter durante o tratamento abraçado a uma almofada e com as pernas protegidas pelo terceiro travesseiro, também higienizáveis.

 Ao observar o novo sistema por um minuto, o mesmo grupo alvo da pesquisa da Cyon, citado acima, apresentou um resultado bem diferente: 75% dos pacientes responderam que a imagem causou relaxamento e 25% tranquilidade. 

100% avaliou a estética do novo consultório, a posição de atendimento e a eliminação da cuspideira como sendo ótimas.

 

Vantagens para o paciente

1. Conforto – a posição fetal é mais confortável para o paciente além de permitir pequenos movimentos e ajustes durante o atendimento.

2. Assédio Sexual – o corpo do paciente permanece completamente isolado durante o atendimento excluindo qualquer possibilidade de assédio por parte do dentista e/ou paciente.

3. Segurança – objetos, materiais e saliva não escorrem para o fundo da garganta, evitando acidentes e não causando sensação de afogamento.

4.  Resistência – o paciente resiste a atendimentos longos sem se cansar.

5.  Grávidas – podem ser atendidas sem o risco de hipotensão arterial por compressão da veia cava.

6.  Obesos – podem ser atendidos confortavelmente. A cama odontológica suporta até 250 Kg.

7.  Crianças – podem ser atendidas tranquilamente sem a necessidade de serem amarradas. Em caso de necessidade a mãe ou auxiliar, podem se deitar junto a criança na cama odontológica. Em geral, as crianças não se sentem amedrontadas ao entrarem no Quarto Clínico Odontológico.

8.  Odontofóbicos – pessoas que temem tratamentos dentários não se sentem amedrontadas ao entrarem no Quarto Clínico Odontológico.

 

 

 

Newsletter

Selecione sua área de interesse:

Núcleo de Pesquisa e Estudos Hospital Arquitetura

Tel.: 11 5584-5277
nupeha@hospitalarquitetura.com.br