Serviços e Tecnologia

Odontologia lateral e o método de atendimento

Conheça o novo método de atendimento odontológico seus diferenciais, uma promessa em nova experiência para paciente e profissional.

 

O sistema desenvolvido pela Cyon - Inteligência em Saúde, permite todos os procedimentos odontológicos e todos os perfis de pacientes.

Neste consultório, o cirurgião dentista trabalha em uma postura mais confortável preservando a saúde de sua coluna, uma necessidade real no século 21, já que ainda a odontologia é considerada uma das profissões de maior risco para o profissional segundo a Occupational Information Network (um departamento americano que disponibiliza todo tipo de informação ocupacional), sendo o item de ergonomia um dos pontos mais críticos.

"A postura é como a janela para a coluna e, como a coluna vertebral influencia diretamente a saúde, podemos considerar que nossa postura também influencia a nossa saúde como um todo", alerta o quiropraxista Jason Gilbert.


  A técnica tradicional

Vamos entender como funciona o consultório convencional para compreender as diferenças com relação à nova técnica proposta pela Cyon. 

                           

No modelo tradicional, o paciente acomoda-se em uma cadeira com a coluna apoiada e o dentista deve se adaptar ao equipamento e ao tipo de procedimento realizado. 

O encosto da cadeira odontológica desloca-se para alterar a angulação, proporcionando campo de visão para o dentista, que na prática clinica opta por posicionar seu corpo em detrimento da velocidade e praticidade.

Para adequar sua distância focal, o profissional se projeta para cima do paciente, flexionando tronco e cabeça além de inclinar e girar os mesmos.

Os braços ficam sem apoio e fazem pequenas elevações para favorecer o procedimento, sobrecarregando músculos, articulações e pescoço. 

E a mesa auxiliar da cadeira odontológica fica lateralmente ao dentista, também promovendo rotações de tronco durante a prática. 


 Postura incorreta

Habituado com o consultório tradicional e a rotina dos procedimentos, sem se dar conta, o cirurgião-dentista desenvolve Lesões por Esforços Repetitivos (LER) ou Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT), em função da postura incorreta e dos movimentos repetitivos prolongados. 

As regiões mais afetadas são ombro/braço (39,40%), punho/mão (18,30%) e pescoço (17,20%). 

Assim, dores no pescoço, coluna, ombros e braços são uma realidade que contribuem para a diminuição da qualidade de vida desse usuário e de sua produtividade no decorrer da carreira.  

Desnível de ombro, encurtamento dos músculos peitorais e cabeça rodada e/ou inclinada – que está associada ao movimento necessário para acesso visual ao seu campo de trabalho (interior da boca do cliente) ao longo dos anos incorporam-se à postura do cirurgião dentista, esteja trabalhando ou não.

 

A ergonomia a favor da saúde

Mas será que é necessário sofrer para trabalhar?

 A boas práticas ditam que a organização do trabalho deve proporcionar maior conforto, o que amplia, consequentemente, a vida útil profissional. 

A ergonomia é a grande aliada da boa postura. Baseada na análise comportamental do usuário, essa ciência busca produzir conhecimento, ferramentas e princípios suscetíveis de orientar racionalmente a ação de transformação das condições de trabalho. 

"Além de humanizar o trabalho, estudos ergonômicos contribuem para uma maior eficiência e rentabilidade do mesmo", ressalta o arquiteto Marcos Cardone da Cabe Arquitetos.

O modelo torna-se uma excelente alternativa para o profissional já que cumpre as normas preconizadas de ergonomia e torna o dentista tecnicamente melhor ao proporcionar visão, acesso com apoio de braços sem contorcionismo. Dessa forma o sistema além de aumentar a destreza do profissional, aumentar em consequência a produtividade do consultório.

 

Ensino da técnica nas Universidades Brasileiras

Já é possível encontrar alunos que estão se graduando com conhecimento completo da técnica de lateralidade, eles terão a oportunidade de escolher o melhor modelo de atendimento para implementarem em seus consultórios. Isso faz parte do processo de democratização da informação, a qual a odontologia atual está passando, com a divulgação e expansão de novos conhecimentos.

Segundo o Profº Mario Sergio Giorgi, coordenador de clínica em uma Universidade em São Paulo, “a técnica favorece o acesso e a visão direta durante o atendimento, e possibilita a oportunidade de se destacar para o profissional”.  Segundo o professor é muito importante que as instituições de ensino tragam novas tecnologias e oportunidades de aprendizado para os alunos, possibilitando a ciência de todas as possibilidades do mercado.

 

O novo consultório

Fundamentados nas normas ISO 6385 e ISO 11226, que estabelecem os requisitos necessários para se obter uma postura saudável durante o trabalho sentado no atendimento odontológico, e na análise do comportamento do profissional, o cirurgião-dentista Roberto Motta, a fisioterapeuta Erika Dias e o engenheiro de produto Venício Venâncio chegaram ao novo consultório.

O modelo desenvolvido para aplicação da técnica de lateralidade conta com a cama odontológica e com ponto de luz ergonomicamente planejado, travesseiros anatômicos, unidade de água, duas cadeiras,  bomba a vácuo e compressor.

Aqui, a cama odontológica substitui a cadeira tradicional.

 

O método de atendimento lateral

No novo consultório, o paciente fica deitado de lado ou em posição fetal, que lhe traz aconchego e maior sensação de segurança, facilitando a realização dos procedimentos. Como a origem do trabalho é o dente, só é necessário pequenos movimentos da cabeça do paciente para o acesso do profissional.

                           

Já o dentista fica sentado como se estivesse na mesa do escritório durante todo o tratamento, sem sobrecarregar a coluna. Essa posição simplifica o acesso à boca do paciente e possibilita a visibilidade tanto da arcada superior quando da inferior.

Os braços ficam apoiados pelo cotovelo ou antebraços, o que lhe proporciona mais firmeza e conforto durante a execução dos procedimentos. 

O campo de visão é obtido graças a movimentos mínimos  da cabeça do paciente que está apoiada no travesseiro . Com o novo sistema, o dentista fica mais próximo ao paciente possibilitando que ele regule o foco facilmente, evitando flexões excessivas de tronco e cabeça, inclinações e torções do corpo.

Sem dores e sem esgotamento, o profissional aumenta a produtividade e a sua qualidade de vida. 

Além das vantagens acima, o sistema da Cyon contribuiu para a saúde financeira da empresa odontológica, por ser um consultório policlínico que torna possível o compartilhamento com diferentes especialidades, permitindo ganho financeiro extra e/ou economia nos custos fixos.

 

Fonte: Artigo Cientifico "Ergonomia para o Cirurgião Dentista – Estudo Comparativo: Conceito de Sala Clínica que Consiste em Técnica de Decúbito Dorsal da Cadeira

 

 

Odontologia lateral e as novas possibilidades do espaço

A solução desenvolvida para consultórios odontológicos amplia as atividades de uma clínica e possibilita a inclusão em hospitais.

 

Com confortável tanto para o paciente quanto para o dentista, esse modelo de consultório apresenta o diferencial de ser versátil e permitir o funcionamento de várias especialidades em um mesmo espaço, o que gera economia de recursos e de tempo.

Até então a odontologia vem atuando como um adendo do setor da saúde e não como parte dele, com consultórios e clínicas especializadas e desconectadas da cadeia da saúde.

O espaço transforma–se em um consultório médico ou consultório de fisioterapia, com apenas a mudança do profissional. Isso representa uma valorização do metro quadrado e a possibilidade de uma atuação multiprofissional em um mesmo ambiente.  A abordagem em equipe de saúde é uma tendência que veio pra ficar em um mundo de tantas tecnologias e soluções para os pacientes.

Acesso humanizado para os pacientes.

A segurança é um quesito muito importante para o dentista, pois pacientes podem aspirar ou deglutir objetos durante o procedimento odontológico. O novo método de atendimento diminui essas possibilidades já que os objetos e saliva tendem a cair na bochecha e não mais no fundo da garganta, como no modelo tradicional.

A nova metodologia de atendimento apresenta vantagens para pacientes idosos, crianças e pacientes obesos, que além de melhorar a segurança contribui com o conforto. Nesses perfis de pacientes são comuns problemas respiratórios que são agravados com a obstrução das vias aéreas. Com o sugador posicionado exatamente no ponto de escoamento, isso representa um alívio e elimina, portanto as cansativas idas a cuspideira.

Para grávidas esse atendimento representa uma especial vantagem. A OMS recomenda que após o segundo trimestre de gestação seja atendida deitada do lado esquerdo para evitar compressão da veia cava e sofrimento fetal.

  

As crianças com maior medo e os bebes são atendidos abraçados de “conchinha” com um familiar, um acolhimento muito importante para o sucesso e aceitação do tratamento.

Pacientes odontofóbicos, diabéticos e cardíacos, que só de entrarem em um consultório tradicional podem ter alterações sistêmicas quando ansiosos. Segundo Ana Prank, coordenadora do município de Rio Preto, “é frustrante você fazer um trabalho multidisciplinar para estabilizar esses pacientes e só deles pisarem no consultório odontológico tudo ir por terra”.

Umas das coisas mais gratificantes desse sistema é ver o paciente dizer após deitar “que sente vontade de dormir.” relata o dentista Roberto Motta em acompanhamento aos atendimentos.

Todos esses diferenciais em experiência se revertem em audiência. Alguns pacientes já saem comentando na recepção do consultório, segundo o dentista Marcos,  em seu primeiro dia de atendimento nesse modelo.

Implementação no estado

A Unidade Básica de Saúde do Jaguaré no município de São José do Rio Preto, SP, implementou o novo sistema em lateralidade. A técnica foi adotada com o objetivo de otimizar e ampliar o atendimento odontológico nas unidades que registrem grande demanda no setor, ao mesmo tempo que não possuam espaço físico para a instalação de um consultório odontológico tradicional, com atendimento exclusivo dos dentistas. Neste formato, a sala é multiprofissional, possibilitando que vários profissionais da área da saúde dividam o mesmo espaço, inclusive o dentista.

                               

 

"A grande surpresa foi a aceitação dos profissionais que passaram por treinamento para esta nova forma de atendimento, em que o posicionamento do dentista fica de frente para o paciente. Ao mesmo tempo, tivemos a boa aceitação dos pacientes", afirmou a gerente de Saúde Bucal do município, Ana Maria Pranke. Para a gerente, esta forma de atendimento é mais humanizada.

  

 

 

 

Odontologia lateral e a humanização do consultório

Transformar o ambiente do consultório pode transmitir relaxamento e tranquilidade ao paciente, aumentando a aceitação dos cuidados à saúde bucal. Conheça o sistema inovador que cumpre essas premissas. 

                                 

Finalmente, os consultórios e clínicas odontológicas podem empregar a política da humanização, graças a um novo sistema clean que adota o método da lateralidade, propiciando mais segurança e conforto ao paciente e ao profissional, e extraordinários benefícios para o ambiente odontológico.

Ao contrário dos ambientes hospitalares que cada vez mais ganham projetos humanizados, os consultórios e clínicas odontológicas ainda são idealizados segundo um modelo criado há 300 anos, baseado no sistema de decúbito dorsal da cadeira odontológica com equipamentos à vista e poluição visual.

É muito comum as pessoas terem medo de ir ao dentista. Entre as causas, Mariana Amaral, psicóloga especialista e mestre em Análise do Comportamento, enfatiza que estímulos presentes no ambiente odontológico "possuem propriedades altamente aversivas".  

Segundo uma pesquisa realizada pela Cyon – inteligência em saúde, com 132 pacientes, entre fevereiro de 2015 e outubro de 2016, em que observaram por um minuto a foto de um consultório tradicional, 45% respondeu que a sensação era de medo e 55% de tensão. O grupo era formado por 28 crianças na faixa de 5 até 12 anos; 80 pessoas dos 12 aos 50 anos e 42 entre 55 e 80 anos.   

O medo e a saúde bucal

Esse tipo de repulsa é problemático, pois o paciente com medo vai pouco ao dentista, o que prejudica a sua saúde bucal. 

Quando ele procura atendimento, apresenta grandes níveis de comprometimento, o que "aumenta a duração e a complexidade do tratamento, tornando este um evento ainda mais estressor, e diminuindo assim a chance de visitas futuras ao dentista", afirma a psicóloga. 

"Este é um ciclo que deve ser interrompido, pois traz perdas ao paciente e também ao profissional, que lida cada vez com quadros clínicos mais graves e comportamentos mais difíceis, aumentando seus níveis de estresse no trabalho", completa. 

 O espaço e o bem-estar

"O espaço físico não poderá eliminar o sofrimento do paciente, mas pode contribuir para melhorar o seu bem-estar e o dos funcionários", cita o artigo do Caderno 11 PROARQ da FAU/UFRJ, de autoria das arquitetas Patrícia Biasi Cavalcanti, Giselle Arteiro Nielsen Azevedo e Cristiane Rose Duarte. 

“Através de uma ambientação humanizada, é possível estimular reações positivas ao restabelecimento do equilíbrio físico e psíquico do usuário, minimizar efeitos estressores, além de contribuir na melhora da qualidade e no acolhimento”, diz a arquiteta Célia Bertazzoli, da Cabe Arquitetos. 

Sistema inovador

Pensando em proporcionar o atendimento confortável e seguro aos pacientes e reduzir os problemas causados aos próprios profissionais pela sala clínica tradicional, a técnica da lateralidade, onde o paciente fica deitado de lado na cama, foi desenvolvida pela Cyon – Inteligência em Saúde, através da parceria entre o cirurgião-dentista Roberto Motta, a fisioterapeuta Erika Dias e o engenheiro de produto Venício Venâncio. 

O sistema contém um consultório completo, sendo que a cadeira foi substituída pela cama odontológica, definida como uma maca adaptada para o paciente ficar em posição fetal e que contém os equipamentos para o dentista realizar todos os procedimentos odontológicos.

 

No novo modelo, o paciente tem a cabeça ancorada por uma almofada fixa, regulável e higienizável, além de se manter durante o tratamento abraçado a uma almofada e com as pernas protegidas pelo terceiro travesseiro, também higienizáveis. 

Ao observar o novo sistema por um minuto, o mesmo grupo alvo da pesquisa citada acima, apresentou um resultado bem diferente: 75% dos pacientes responderam que a imagem causou relaxamento e 25% tranquilidade. 

100% avaliou a estética do novo consultório, a posição de atendimento e a eliminação da cuspideira como sendo ótimas. Segundo a paciente Luana Marques “uma das principais vantagens é não ter aquela sensação de afogamento e ter eliminado a cuspideira, ela é nojenta”. Já a paciente Lucia Lares comentou sobre a estética do consultório que “só de não ter aquelas coisas penduradas que dá mais medo ainda, já é excelente”.


 

 

 

 

 

 

Núcleo de Pesquisa e Estudos Hospital Arquitetura

Tel.: 11 5584-5277
nupeha@hospitalarquitetura.com.br