Transformar o ambiente do consultório pode transmitir relaxamento e tranquilidade ao paciente, evitando o comprometimento da saúde bucal. Conheça sistema inovador que cumpre essas premissas

Por Silvana Maria Rosso

 

Finalmente, os consultórios e clínicas odontológicas podem empregar a política da humanização, graças a um novo sistema clean que adota o método da lateralidade, propiciando mais segurança e conforto ao paciente.

Ao contrário dos ambientes hospitalares que cada vez mais ganham projetos humanizados, os consultórios e clínicas odontológicas ainda são idealizados segundo um modelo criado há 300 anos, baseado no sistema de decúbito dorsal com equipamentos à vista, além de acoplar a repulsiva cuspideira. 

É muito comum as pessoas terem medo de ir ao dentista. Entre as causas, Mariana Amaral, psicóloga especialista e mestre em Análise do Comportamento, enfatiza que estímulos presentes no ambiente odontológico "possuem propriedades altamente aversivas".  

Segundo uma pesquisa realizada pela Cyon - Soluções Odontológicas com 132 pacientes, entre fevereiro de 2015 e outubro de 2016, em que observaram por um minuto a foto de um consultório tradicional, 45% respondeu que a sensação era de medo e 55% de tensão. O grupo era formado por 28 crianças na faixa de 5 até 12; 80 pessoas dos 12 aos 50 anos e 42 entre 55 e 80 anos.

O medo e a saúde bucal

Esse tipo de repulsa é problemática, pois o paciente com medo vai pouco ao dentista, o que prejudica a sua saúde bucal. 

Quando ele procura atendimento, apresenta grandes níveis de comprometimento, o que "aumenta a duração e a complexidade do tratamento, tornando este um evento ainda mais estressor, e diminuindo assim a chance de visitas futuras ao dentista", afirma a psicóloga. 

"Este é um ciclo que deve ser interrompido, pois traz perdas ao paciente e também ao profissional, que lida cada vez com quadros clínicos mais graves e comportamentos mais difíceis, aumentando seus níveis de estresse no trabalho", completa. 

 O espaço e o bem-estar

"O espaço físico não poderá eliminar o sofrimento do paciente, mas pode contribuir para melhorar o seu bem-estar e o dos funcionários", cita o artigo do Caderno 11 PROARQ da FAU/UFRJ, de autoria das arquitetas Patrícia Biasi Cavalcanti, Giselle Arteiro Nielsen Azevedo e Cristiane Rose Duarte. 

“Através de uma ambientação humanizada, é possível estimular reações positivas ao restabelecimento do equilíbrio físico e psíquico do usuário, minimizar efeitos estressores, além de contribuir na melhora da qualidade e no acolhimento”, diz a arquiteta Célia Bertazzoli, da Cabe Arquitetura Hospitalar. 

 

 

Sistema inovador

Pensando em proporcionar o atendimento confortável e seguro aos pacientes e reduzir os problemas causados aos próprios profissionais pela sala clínica tradicional, a técnica da lateralidade, onde o paciente fica deitado de lado na maca, foi desenvolvida pela Cyon - Soluções Odontológicas através da parceria entre o cirurgião-dentista Roberto Motta, a fisioterapeuta Erika Dias e o engenheiro de produto Venício Venâncio. 

O sistema contém um quarto clínico com consultório completo, sendo que a cadeira foi substituída pela cama odontológica, definida como uma maca de eixo central que possibilita o livre movimentar do profissional nas extremidades e com altura de elevação de 1,20 metros. 

Associa-se à cama um armário odontológico que contém todos os equipamentos necessários para o desenvolvimento dos tratamentos que ficam à mostra apenas quando o móvel está aberto.

 Nesse sistema, a cuspideira pode ser eliminada, pois o sugador já recolhe toda a saliva, evitando o mal estar gerado pelo contato visual com o acessório. Isso também traz maior conforto para o usuário.

 

 

 

No novo modelo, o paciente tem a cabeça ancorada por uma almofada higienizável, além de se manter durante o tratamento abraçado a uma almofada e com as pernas protegidas pelo terceiro travesseiro, também higienizáveis.

 Ao observar o novo sistema por um minuto, o mesmo grupo alvo da pesquisa da Cyon, citado acima, apresentou um resultado bem diferente: 75% dos pacientes responderam que a imagem causou relaxamento e 25% tranquilidade. 

100% avaliou a estética do novo consultório, a posição de atendimento e a eliminação da cuspideira como sendo ótimas.

 

Vantagens para o paciente

1. Conforto – a posição fetal é mais confortável para o paciente além de permitir pequenos movimentos e ajustes durante o atendimento.

2. Assédio Sexual – o corpo do paciente permanece completamente isolado durante o atendimento excluindo qualquer possibilidade de assédio por parte do dentista e/ou paciente.

3. Segurança – objetos, materiais e saliva não escorrem para o fundo da garganta, evitando acidentes e não causando sensação de afogamento.

4.  Resistência – o paciente resiste a atendimentos longos sem se cansar.

5.  Grávidas – podem ser atendidas sem o risco de hipotensão arterial por compressão da veia cava.

6.  Obesos – podem ser atendidos confortavelmente. A cama odontológica suporta até 250 Kg.

7.  Crianças – podem ser atendidas tranquilamente sem a necessidade de serem amarradas. Em caso de necessidade a mãe ou auxiliar, podem se deitar junto a criança na cama odontológica. Em geral, as crianças não se sentem amedrontadas ao entrarem no Quarto Clínico Odontológico.

8.  Odontofóbicos – pessoas que temem tratamentos dentários não se sentem amedrontadas ao entrarem no Quarto Clínico Odontológico.

 

 

 

blog comments powered by Disqus

Newsletter

Selecione sua área de interesse:

Núcleo de Pesquisa e Estudos Hospital Arquitetura

Tel.: 11 5584-5277
nupeha@hospitalarquitetura.com.br